O que esconde a “filha boazinha”

alt="a filha boazinha e a constelação familiar"

O que esconde a “filha boazinha”

O que esconde a “menina boazinha” é o que vamos descobrir ao longo da vida, pois somos moldadas por nossas experiências, valores e perspectivas. 

A infância é um período crucial onde as sementes são plantadas, no entanto essas sementes podem florescer de maneiras únicas na vida adulta. No contexto da menina “boazinha”, aquela que é gentil, atenciosa e prestativa desde cedo, é interessante perceber o impacto dessa mentalidade no desenvolver das nossas relações. 

Neste artigo, exploraremos como a jornada da menina boazinha pode ser uma base sólida para a compreensão mais ampla das complexidades das experiências das relações interpessoais.

Ela pode internalizar a crença de que seu valor está diretamente ligado à sua capacidade de agradar aos outros, além disso, o que pode minar sua autoestima e autoconfiança.

A Filha Boazinha: Sementes Plantadas na Infância

A figura da “menina boazinha” é comum em muitas famílias e culturas. Essa menina é ensinada desde cedo a ser sempre prestativa, a colocar as necessidades dos outros acima das suas e a evitar conflitos a todo custo. 

Crescendo como uma amiga confiável e uma parceira leal, ela conquistou uma reputação como alguém em quem se podia contar, super pró-ativa, sempre com solução para o problema dos outros.

Embora esses ensinamentos possam ser bem-intencionados, eles podem ter efeitos profundos na formação da identidade da pessoa, ela não sabe o que pode fazer além daquilo que ela já percebeu que os pais ficam felizes e vai só repetindo para ser vista, aceita e amada.

O Padrão Repetitivo

Essa menina, ao se tornar adulta, muitas vezes continua a buscar agradar a todos, mesmo que isso signifique sacrificar suas próprias vontades e desejos.

 Esse padrão de comportamento pode levar a um ciclo de insatisfação pessoal e dificuldade em estabelecer limites saudáveis, devido a isso ela tem uma programação interna, que conforme ela cresce vai percebendo que talvez esse não seja o melhor caminho,.

No entanto, como fazer diferente, quando vê já fez de novo e de novo.

Essa tendência de suprimir suas próprias necessidades resultou em uma série de dificuldades nos relacionamentos amorosos.

A menina boazinha é frequentemente elogiada por sua generosidade e empatia. Desde cedo, ela aprende que ser gentil com os outros é uma virtude. 

No entanto, essa virtude pode evoluir para algo mais profundo quando a menina cresce e começa a enfrentar desafios do mundo adulto.

A Busca pela Aceitação

A necessidade constante de aprovação e validação dos outros pode ser uma busca cansativa e interminável. A menina boazinha muitas vezes anseia por reconhecimento externo para se sentir valorizada e amada. 

Ela frequentemente evita conversas difíceis, por se sentir desconfortável ao confrontar possíveis desentendimentos, o que leva a um acúmulo de ressentimento ao longo do tempo.

Cresceu tendo isso reforçado a cada “bom” comportamento, que ela foi acreditando ser o melhor caminho. No entanto, essa busca externa pode nunca ser completamente satisfeita, levando a sentimentos de inadequação.

Ela pode começar a questionar a validade desse padrão comportamental. Ela pode experimentar momentos de conflito interno entre atender às expectativas dos outros e buscar sua própria felicidade.

A Visão Sistêmica : Uma Nova Perspectiva

Para a mulher adulta que está redefinindo seu papel, a visão sistêmica se torna uma ferramenta valiosa. Ela passa a compreender que suas ações e escolhas não ocorrem em um vácuo, mas têm impacto em seu ambiente e em si mesma.

A mulher que passou pela jornada da menina boazinha pode desenvolver uma compreensão mais profunda das conexões entre seus relacionamentos, seu bem-estar emocional e sua identidade.

Identificando Padrões Destrutivos

A constelação familiar como ferramenta de autoconhecimento,  ajuda a identificar padrões de relacionamento destrutivos, como o da menina boazinha.

 Ao enxergar as raízes desses padrões, é possível iniciar um processo de cura e transformação.

Uma vez que a mulher compreende a interconexão de sua vida e dos sistemas em que está inserida, ela pode tomar decisões mais assertivas e empoderadas.

Rompendo com o Passado

Uma das premissas da constelação familiar é que, ao compreender as dinâmicas familiares e integrar as histórias não resolvidas, podemos nos libertar dos padrões limitantes. 

Isso permite que a “menina boazinha” se transforme em uma adulta que busca o equilíbrio entre suas próprias necessidades e as necessidades dos outros.

Ela começa a buscar sua essência, a descobrir quem realmente ela é, do que gosta e do que não gosta, reconhecendo que ser verdadeira consigo mesma é essencial para sua própria felicidade e para estabelecer relacionamentos saudáveis. 

A mulher empoderada pelo amor próprio,  não se define apenas pelo papel de agradar aos outros, mas busca equilibrar suas próprias necessidades com as necessidades dos outros.

Estabelecendo Limites Saudáveis

A mulher adulta compreende que enfrentar desafios e conflitos faz parte da vida e que esses momentos podem ser oportunidades para crescimento e aprendizado.

Ela é capaz de lidar com situações difíceis de maneira mais construtiva, mantendo um olhar atento às interações complexas entre os diversos elementos de sua vida.

Uma parte crucial desse processo é aprender a estabelecer limites saudáveis. Isso envolve reconhecer quando dizer “sim” e quando dizer “não”, sem sentir culpa.

 O autocuidado se torna uma prioridade, permitindo que a pessoa viva de acordo com suas próprias vontades e valores.

Reconhecendo e Transformando Crenças Limitantes

A “menina boazinha” muitas vezes carrega crenças limitantes, devido a isso, cria a ideia de que sua própria felicidade é menos importante do que a felicidade dos outros, de que se colocar em primeiro lugar é egoísmo. 

A visão sistêmica ajuda a desafiar essas crenças, permitindo uma mudança fundamental na forma como a pessoa se vê e se relaciona com o mundo.

Descubra a Liberdade Emocional: Sessão de Constelação Familiar Online

Você já se viu em um padrão de relacionamentos que parece se repetir, deixando-a frustrada e incompreendida? 

Se você já foi a “pessoa boazinha” que sempre colocou as necessidades dos outros antes das suas, saiba que você não está sozinha nessa jornada. 

E que é possível sim sair desse ciclo de repetição infinita, que quanto mais você foge, mas o padrão se repete na sua vida, da mesma forma, muitas mulheres já alcançaram esse lugar de força, venha você também fazer esse movimento de transformação.

Agende agora sua sessão de constelação familiar online: SABER MAIS

Conclusão

A jornada da menina boazinha à mulher adulta é um processo de transformação profunda. 

Essa mulher abraça sua autenticidade, estabelece limites saudáveis e toma decisões para o benefício de sua própria vida e daqueles ao seu redor.

Ela abraça a complexidade de suas relações e contextos, e utiliza esse entendimento para moldar uma vida equilibrada, significativa e empoderada.

A transformação da “menina boazinha” em uma adulta empoderada é um processo libertador e revolucionário. 

Esse processo ajuda a desvendar padrões destrutivos e cultivar relacionamentos saudáveis, tanto consigo mesma quanto com os outros.

Então comece agora o seu processo também: Baixar Ebook Grátis

 

Talvez você goste:  O que é a dependência emocional? 

Leandra Siqueira

Leandra Siqueira

Consteladora e Terapeuta Holística

Compartilhe nas mídias

Comente o que achou:

Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site.